Entenda o que é anorgasmia: incapacidade de chegar ao orgasmo

A anorgasmia, em síntese, é a incapacidade de se atingir o orgasmo, mesmo fazendo uso de estímulos sexuais. Ela pode ocorrer tanto quanto em homens como nas mulheres, sendo que nos homens é frequente a ausência da ejaculação.

Em primeiro lugar, o orgasmo é o ponto alto do prazer sexual, promovido em grande parte pelos estímulos genitais. Porém, este é um processo cerebral, que permite atingir o clímax de outras formas.

O orgasmo gera alguns sinais no corpo. Nas mulheres, ocorrem contrações no exterior da vagina, os lábios vaginais se dilatam e incham, enquanto o bico dos seios endurecem e o clitóris fica mais sensível.

No homem, o prazer contrai os músculos periuretrais, provocando a ejaculação, ou seja, a dispensa do líquido seminal.

Tanto o homem quanto a mulher vivenciam uma sensação de relaxamento após o orgasmo.

Principais sintomas da anorgasmia

Em primeiro lugar, a anorgasmia é a incapacidade de se alcançar o orgasmo, mesmo se valendo de artifícios para a estimulação sexual. Para caracterizar essa condição, a incapacidade deve ser persistente e ocorrer por diversas vezes.

Em alguns casos, pode-se apresentar uma sensação desagradável ou dolorosa por causa do aumento da vascularização pélvica.

Para configurar o quadro, o paciente deve ser corretamente estimulado, pois é possível que não atinja o orgasmo pelo estímulo inadequado ou em decorrência de ejaculação precoce.

Tipos de anorgasmia

Na anorgasmia primária, o indivíduo nunca atingiu o orgasmo, enquanto na do tipo secundária o orgasmo surge durante a vida sexual, em algum momento.

Existe ainda o tipo situacional. Neste caso, ele ocorre devido a alguma condição específica, por exemplo, a incapacidade de atingir o orgasmo com algum parceiro.

Causas psicológicas, físicas e hormonais

A condição tem diferentes causas. Sendo assim, elas são classificadas como psicológicas, físicas ou hormonais. Em geral, as causas de ordem psicológicas são mais frequentes. Podemos citar entre elas:

  • distúrbios psicológicos;
  • sentimento de culpa e tabu;
  • exposição contínua a pornografia explícita, elevando a expectativa na relação;
  • falta de informação quanto à estimulação correta;
  • por último, desconhecimento do próprio corpo.

Já os fatores físicos mais comuns envolvem a redução da sensibilidade peniana ou procedimentos cirúrgicos que alteram a região genital.

Os fatores hormonais estão relacionados a baixas taxas de testosterona, elevação da prolactina e hipotireoidismo.

Além disso, alguns medicamentos podem causar a condição. Os mais comuns são os antidepressivos, ansiolíticos, quimioterápicos e opioides.

Diferença entre anorgasmia e frigidez

A frigidez é um transtorno de excitação sexual caracterizado pela falta de desejo sexual e pela excitação e lubrificação insuficientes durante o sexo. O desejo e a lubrificação existem na anorgasmia, porém a pessoa não consegue atingir o orgasmo.

Tratamentos para anorgasmia

O tratamento é realizado a partir da identificação da causa. Dependendo do caso, ele pode ser feito por:

  • reposição hormonal;
  • substituição de medicamentos;
  • psicoterapia;
  • informações sobre fisiologia e estímulos e resposta sexual.

É fundamental que tanto o homem como a mulher busquem ajuda médica, caso haja insatisfação com o prazer nas relações sexuais. O diagnóstico e o tratamento adequado da anorgasmia podem vencer esses obstáculos.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ginecologista e obstetra em Jundiaí!

Pesquise aqui

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email